Dr. Fabio Barros explica as soluções em complicações estéticas

O tema de hoje é: “Soluções em complicações estéticas”.

A gente sabe que a procura por procedimentos estéticos está cada vez maior, e com isso também aumenta o número de profissionais que realizam esse procedimentos. E aí, o paciente sendo leigo, não sabe como procurar um profissional habilitado. Então, às vezes ele cai nas mãos de profissionais não habilitados.

Eu recebi uma pergunta esses dias que eu vou trazer aqui, que eu acho que ela engloba bastante coisa:

Dr, fiz um procedimento há um tempo atrás e não fui orientado de qual produto foi utilizado. Estou com inchaço e está me incomodando. Você consegue resolver?

Como eu trato essas complicações

Eu respondi que conseguiria sim resolver. Para quem não sabe, eu sou especialista em harmonização orofacial, mas também sou especialista em radiologia odontológica. Eu possuo um aparelho de ultrassonografia no meu consultório, que me possibilita realizar os procedimentos guiados. O que que isso significa? Eu consigo enxergar através da pele, embaixo da pele com esse aparelho. Então eu consigo ver fluxo de vasos sanguíneos, eu consigo ver o material que foi utilizado, se foi colocado um ácido hialurônico, se foi colocado PMMA, se foi colocado um silicone. Então, essa paciente ela apresentou inchaço no rosto onde foi aplicado esse produto.

Transparência com os pacientes

Eu tenho um hábito de entregar para o meu paciente um adesivo do produto, adesivo esse que é colado no passaporte. E então, o paciente tem a certeza do que foi aplicado nele. Eu abro a caixa do produto na frente do paciente. Eu deixo tudo muito claro, e aí ele recebe esse adesivo e guarda para ele. Alí está o histórico do que foi aplicado no rosto dele. Muita gente não faz isso.

Dr. Fabio Barros explica as soluções em complicações estéticas

Diagnóstico e tratamento

Então, a gente precisa, antes de mais nada, realizar um exame de ultrassonografia. Então, essa paciente veio até o meu consultório e a gente conseguiu avaliar se isso era realmente ácido hialurônico ou se era algum outro produto. Sendo só ácido hialurônico, a gente pode imaginar que seja uma Etipe. O que que é uma Etipe? Uma Etipe é um edema tardio, intermitente e persistente. Esse edema pode ocorrer por causa de uma imunidade baixa, e ele pode afetar quem tem ácido hialurônico. É algo benigno, algo que não precisa se preocupar, muita das vezes só com corticoide via oral o paciente resolve o problema dele e não tem mais nenhum problema.

Remoção do produto em casos graves

A gente remove esse produto quando a Etipe começa a se tornar recorrente, o paciente começa a ter edema, inchaço diversas vezes. Isso pode também ser causado por um processo infeccioso no ácido hialurônico, que aí também tem que ser prescrito um antibiótico e, posteriormente, remover esse produto.

Mas também esse inchaço pode ser causado por um produto definitivo, que não sai do corpo, que é o PMMA, o silicone, e aí causa um grande problema para esse paciente.

Já aconteceu aqui no consultório, de alguns pacientes chegarem até aqui afirmando que colocaram ácido hialurônico no rosto e, quando a gente chega no exame de ultrassonografia, a gente encontra ali o polimetilmetacrilato (PMMA), o silicone. Para quem não sabe, o polimetilmetacrilato se estranha por todo o músculo, ele se cola em artérias e aí, não tem como ser removido. Então, no caso de infecção ou de uma inflamação crônica, a gente não consegue remover esse produto.

A segurança do ácido hialurônico

A grande vantagem do ácido hialurônico é que o ácido hialurônico ele possui um antídoto, que é a hialuronidase. Quando a gente coloca a hialuronidase, o ácido hialurônico some do corpo do paciente, ele se dissolve. Então tá aí a segurança de utilizar o ácido hialurônico, e não utilizar o polimetilmetacrilato, ou o silicone.

No caso dessa paciente que eu citei, ela veio até o meu consultório, a gente identificou que era realmente ácido hialurônico, eu prescrevi corticoide para essa paciente porque o problema dela era realmente uma Etipe, um edema tardio, intermitente e persistente, e que pode acontecer qualquer paciente que esteja com imunidade baixa e que tenha ácido hialurônico no rosto. Mas poderia ser algo mais grave, poderia ser um polimetilmetacilato, que não teria como ser removido e essa paciente poderia ser mutilada.

Conclusão

Então, o meu apelo à vocês, é que vocês tenham bastante cuidado em relação ao que está sendo aplicado no rosto de vocês, a sua saúde é muito mais importante!

Qualquer dúvida que vocês tiverem, me mandem nas minhas redes sociais!

Sou Dr. Fábio Barroscirurgião dentista, especialista em harmonização orofacial.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário